domingo, 13 de abril de 2008

Urubuporizada (os)

Sexta-feira, eu e mais alguns colegas de trabalho fomos almoçar na Pizzaria Domino’s da Al. Santos, que por sinal, serve uma das melhores pizzas da cidade.
Chegamos cedo, portanto haviam mesas disponíveis para nos acomodarmos bem. De repente, entraram vários clientes ao mesmo e começaram a se aglomerar em torno das nossas mesas como urubus em cima da carniça. Deviam ter pensado: “Comam logo pra gente poder sentar.” Aqueles olhos esbugalhados em cima das nossas pizzas e cada vez mais se aproximando, pressionando-nos a sair das mesas. Resumindo: Horrível!!!
A pizzaria poderia ao menos, construir um segundo andar para melhor acomodar os clientes e evitar que situações desconfortáveis como essas aconteçam. Agora, vou pensar duas vezes antes de ir almoçar lá em uma sexta-feira. Ugh!
O pior de tudo é que situações como essas estão acontecendo freqüentemente, principalmente em shoppings. Quantas vezes você já fez o papel do urubu ou da carniça? Terrível. Pior que não dá nem pra fugir. Em cidades como São Paulo, os shoppings são um dos principais equipamentos de lazer disponíveis, com fácil acesso, segurança, e por isso atraem muitos visitantes. Assim, as praças de alimentação não comportam a demanda, causando essa loucura até na hora de comer. Como diz minha mãe: “Tá russo!”.

Por isso que cada vez mais adoro ir a restaurantes com um cardápio e atendimento diferenciado, ambiente agradável, pessoas educadas. Podem me achar enjoada, mas gosto mesmo é de conforto!

Mudando de pato pra ganso, fiquei pensando de onde surgiu essa expressão “tá russo”. Aí contei com a ajuda do nosso amigo Google, que me levou até o blog do Felipe Amorim – O Pensador Selvagem:

“A situação está russa!: A expressão "a situação tá russa” que, surpresa, surpresa, não tem NADA a ver com a Rússia, pelo menos em sua origem. Sim, eu sei, eu também cresci com essa expressão invocando imagens de pobres velhinhas na fila do pão, sob a neve inclemente de Moscou. Mas isso foi pura doutrinação capitalista, camarada! A expressão não deriva de nenhum comentário socio-político sobre as dificuldades de vida em um regime de economia planificada, mas sim vêem de um velho termo da língua portuguesa que, aliás, por conta dessa confusão, é freqüentemente grafado errado. Estou falando da palavra “ruça”, com cedilha, que quer dizer estragada, em mal-estado de conservação. Assim a expressão correta é “a situação está ruça”, querendo dizer que a “as presentes circunstâncias estão em estado de deterioração” ou ainda, “a fita tá sinistra”. A Guerra Fria não tem nada a ver com isso.”
Fonte:
http://opensadorselvagem.org/blog/felipedeamorim/tag/expressao/
Obrigada, Felipe!

Beijos, bom domingo! :)

PS: Não assista Faustão, nem Gugu, vá ler um livro! ;)

3 comentários:

Vinícius Aguiar disse...

É clichê, mas adequado: "se não fosse trágico, seria cômico!"
Ah, adorei o "PS" no final, muito pertinente!

Alcides disse...

Flávia,

É como você falou, muitas vezes nós também fazemos papel de urubus, afinal, um dia é da caça ,outro é da pesca rsrs.

Mudando de cavalo pra peixe, obrigado pela curiosidade sobre a coisa ruça, eu nem sabia que era assim que se escrevia.

Sobre o Faustão e o Gugu, você já terminou de ler Mentiras no Divã?

Beijos!

Alcides

Flávia Fabri Cesário disse...

Oi Alcides!
Estou quase terminando! Faltam 90 páginas. Com sorte, termino essa semana!
E você? Já começou a ler quando Nietzsche Chorou?
Beijos!