sexta-feira, 28 de março de 2008

Imersa em Lágrimas

Estou mergulhada em mágoa, rancor, ressentimento e tristeza. Meu coração chora, se sente apertado. Arrependida por ter deixado abusarem de mim. Da pureza dos meus sentimentos. Da minha lealdade e da minha bondade. Ofereci meu ombro amigo e levaram muito mais. Quiseram minhas mãos, meus braços, meu cérebro... arrancaram do meu peito a máquina do meu corpo e da minha alma...
Fizeram de mim um objeto valioso que pode ser utilizado a qualquer hora, a qualquer momento, sem permissões, sem pedidos de licença, de por favor...
Acham que sou feita de metal, de plástico, de argila? Não! Sou humana! De carne e osso! Tenho vida, tenho sentimentos.
Não agüento mais essa condição de ser lembrada apenas quando precisam... eu também preciso me refugiar, preciso de apoio, preciso de atenção, de reconhecimento, de amizade, de amor sincero...
Cansei de pessoas que me levam às lágrimas, cansei de situações a qual a vida me envolve, sem me dar opção de querer ou não...
Choro pela imprudência pronunciadas por pessoas despreocupadas, despreparadas, sem o mínimo de caráter e generosidade.
Sofro por ser assim: pura. Me sinto como um capacho, um pano de chão, usado e largado em qualquer canto sujo...
Não quero que me liguem apenas pra me pedir algo, que me mande e-mail pedindo favores. Quero que me liguem também para saber se estou bem. Quero que me escrevam par ame dar “bom dia”.
Não quero mais chorar...


(Perdoem-me caso encontrem erros de digitação, de ortografia... escrevi e não revisei...)

3 comentários:

Alcides disse...

Flávia,

Você não quer que te peçam favores.Desculpe minha ousadia de lhe pedir só um: SORRIA!

Outro dia o Mário Quintana disse:
"Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão...
Eu passarinho!"

Às vezes a gente vacila, baixa a guarda e sempre tem alguém de plantão querendo nos vampirizar, sugar, invadir nosso espaço, nosso corpo e alma. Tentaram fazer isso com você e veja o que aconteceu: VOCÊ está viva! O que não te mata te deixa mais forte.

Escrevi um poema que não tem começo, nem meio, ele é para ser lembrado no final de determinadas situações.Espero que você se recupere logo, para repetir isso:

..."e a ferida que doía tanto
e por vezes tirava meu sono
hoje é só cicatriz
que não me faz pensar em nada."

Fique com Deus!

Alcides

Flávia Fabri Cesário disse...

Alcides,

Obrigada por tuas palavras! Concordo com o que você disse. Esta pessoa só lembra de mim quando precisa e já me machucou diversas vezes. Não acho ruím que me peçam favores. Pelo contrário, sinto-me feliz em ajudar. Inclusive, escrevi sobre isto na publicação anterior.
Enfim, depois de todo rancor e mágoa que senti, fui até ao altar que tenho aqui em casa, rezei e pedi à Deus que ilumine esta pessoa e que me dê forças para me deixar abater.

Estou bem melhor e ontem tive um dia tão iluminado que estou sorrindo à toa, como é de costume!

Super beijo!

Flávia

Creezy disse...

Esse Alcides! eu ia dizer as memas palavras!
1 - o que não te mata, te fortalece (F. Nietzsche);
2 - "eles passarão, eu passarinho" (M. Quintana);

E esse da cicatriz, eu conheço muito bem! Sim, sim..aquilo que doía tanto e hoje é só cicatriz, que não me faz pensar em nada" mas me traz o aprendizado daquela situação que vivi.

É Querida, tem coisas que doem e tem gente que nasceu para fazer doer!! É o talento de determinadas pessoas! Incrível. Mas somos muito mais que isso e, se dói, é porque temos coração, valores e princípios, Graças a Deus!

beijos,
fique em Paz
e lembre-se: você tem amigos!