segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Percepção...


Por vezes eu quis ser médica para curar os enfermos...

Outras vezes eu quis ser a assassina e destruir quem me machucou.

Quis ser uma avestruz para enfiar minha cabeça debaixo da terra e não sair de lá nunca mais.

Também quis ser um pássaro para sentir o prazer de ser livre.

Quis ser magérrima para sentir-me aceita em uma sociedade preconceituosa.

Quis engolir um coquetel de remédios e “acabar” com a minha vida.

Quis, quis, quis...tantas coisas...

E hoje, percebo que tenho tudo aquilo que preciso...

Um coração pulsando e distribuindo o sangue pelo meu corpo...

Tenho pulmões que transformam oxigênio em gás carbônico... reação química que garante a minha vida...

Tenho mãos, pernas, olhos, ouvidos...

Tenho cérebro para comandar a oração que vem do coração que faço todos os dias agradecendo à DEUS pela minha vida e das pessoas que eu AMO!

Um dia percebemos que não basta muito para ser feliz. Que nossas emoções boas e ruíns passam... que as palavras ditas marcam, que as atitudes egoístas causam feridas incuráveis e que sorrisos sinceros modificam a perspectiva de alguém...

DEUS obrigada! Por tudo e por todos!

3 comentários:

Kêco disse...

Bom é saber lidarmos com o que temos. E viver bem com isso,né?
Té + Flavitcha! Feliz ano novo.

Vinícius Aguiar disse...

Esse tipo de reflexão se faz cada vez mais necessária, principalmente nestes tempos de recomeço... parabéns Flavinha!

A Palavra Mágica disse...

Flávia,

Uma frase de caminhão: "Não tenho tudo que amo, mas dane-se" (o dane-se, na verdade, é um palavrão).
Você ainda é jovem e descobriu cedo que precisa de coisas simples para ser feliz. Cuide bem de sua descoberta. Seja careta, mas seja você.

Um beijo!
Alcides