quarta-feira, 30 de abril de 2008

Caminhos (des)cruzados

Sabe, eu sei que você está aqui. Empregnado. Teimoso. Nunca quis ir embora contra a própria vontade. Confuso, foi embora sem querer ter ido.

E eu fiquei aqui. Descontente. Mesmo não querendo, desejei você de volta. Bilhetes, cartas, músicas, versos ficaram comigo. Você fez questão de esquece-los para vingar-se da mulher que verdadeiramente lhe amou.

Mas, o que dói mais são as fotos. Que juntas, transformam-se em um filme triste e melancólico. Um roteiro para afogar as mágoas. Para desistir do amor. Para querer ficar sozinho.

Meu sorriso era metálico e no seu havia um dente lascado, resultado de uma peripécia infantil.

As árvores que muitas vezes nos abrigou dos ventos e do sol ainda estão lá. E quando chovia corriamos para a calçada e nos deixavamos enxarcar com a água límpida que purificava nosso amor. Ei! Era amor mesmo? Não era apenas empolgação? Coisa de adolescente desbravador dos mistérios da vida? Queríamos mesmo era ficarmos juntos. No carro, no parque, na fazenda, no palco, no chão, na terra, na grama, envolvidos em nosso braços...

Então, ficamos assim...perdidos no tempo, e nos caminhos que nos levaram a direções opostas...

Mas, você continua aqui... e eu continuo contigo...

A longa estrada nos levou a um lugar chamado alma.

3 comentários:

Vinícius Aguiar disse...

Nossa Flavinha... texto recheado de sentimentos né... muito bonito, parabéns viu!!
Beijos!

Alcides disse...

Flávia,

Espero que esta história não tenha final, espero que esta história seja feliz.

Um beijo!

Alcides

Cris disse...

Caraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaacasssssss!!!!!!
ADOOOOOOREI O SEU TEXTO!!!

Esses sentimentos indefinidos, essa fantasia, essa coisa louca! Os lugares...tudo muito descritivo. Sensação de proximidade. Sente-se a angústia, a melancolia. E esse fim?? Meu, PERFEITO! "lugar chamado alma"!! Que idéia!! Genial!

Você deveria escrever mais coisas assim. Invista nos contos. Você vai se dar bem!

Beijos!!

ps: que orgulho de você!