quarta-feira, 23 de abril de 2008

Como se fazer um bom Jornalismo

Antes mesmo de entrar na faculdade, eu já sabia quais eram os princípios básicos do bom jornalismo. Algumas ações obrigatórias:

- Ética;
- Respeito;
- Apuração;
- Responsabilidade;
- Discernimento;
- Bom senso;
- Intuito de defender a sociedade;
- Informar de forma clara e objetiva;
- Dedicação;
- Garra;
- Engajamento.

É claro, tudo isso vai por água abaixo quando entra em jogo o dinheiro. Audiência, venda de milhares de exemplares... Poder!

Uma citação do filme Conspiração, do diretor George P. Cosmatos de 1997, ilustra bem isto: “A imprensa escreve para vender, não para informar."

São raras as mídias e profissionais que conseguem equilibrar-se neste jogo. São os verdadeiros heróis da profissão. Nomes como Tim Lopes, Percival de Souza, Joelmir Betting, Paulo Henrique Amorim, Claudio Abramo, Vladimir Herzog, Daniel Piza, João Ubaldo Ribeiro, entre tantos outros...

Há chance de mudanças?

Beijos!

2 comentários:

Vinícius Aguiar disse...

É Flavinha, infelizmente o Jornalismo tornou-se também mais um jogo de interesses, onde o que importa na verdade é o retorno, e não a veracidade dos fatos, a imparcialidade ou o bom senso. E sinceramente eu não vejo como mudar para melhor, visto que a tendência do mundo e das pessoas é uma sede ainda maior pelo poder e pelo dinheiro, independentemente do que elas tenham que fazer para isso. É triste, mas é verdade!

Beijos!

Bruna Souza disse...

Pois é Flávia, vc tem razão, infelizmente. Quanto se há chance disso mudar...tenho certeza que não. A situação só tende a piorar. Um belo e recente exemplo disso foi a patética entrevista com o casal Nardoni, exibida pelo Fantástico, que há muito tempo deixou de ser um programa informativo e de entretenimento. Está vago, evasivo.
O que nos resta é como sempre separar o joio do trigo e analisar todas as informações que nos chegam, criticamente.