quinta-feira, 20 de março de 2008

Pé na estrada


O dia não estava muito propício para viajar. Céu nublado, garoa fina que logo se transformava em chuva pesada e persistente. Mesmo assim, decidimos colocar o pé na estrada e ir embora da metrópole. Eu, Priscila e Valéria em direção ao litoral norte. As diárias do Albergue já estavam praticamente pagas, então seria muito chato desistir na última hora. Ainda mais, porque faziam 3 anos que estávamos tentando agendar uma viagem ao litoral juntas. Faltava a Jéssica. Como sempre, ela atrasou e dessa vez, decidimos não passar a mão na cabeça dela e esperá-la. Fomos embora. No fim, ela acabou indo depois, de ônibus. Acho que ela aprendeu...rs


No rádio tocava Edson e Hudson. Claro, na caranga da Valéria não poderia ser outro estilo, senão sertanejo e country, rs. Eu e a Priscila com cara de , até que a Val nos deixou comandar o som. Então, a trilha foi pop rock: Coldplay, Alanis Morissette e Kid Abelha. A banda brasileira animou e começamos a cantar juntas admirando o visual.

Viajar de carro é o máximo! As paisagens dão a impressão de movimento, a idéia de que realmente se está viajando. Flores, plantas, árvores, nuvens, nevoeiro, carros, indústrias fizeram parte do cenário. E que cenário! O caminho para o litoral norte é infinitamente mais bonito que o do litoral sul. Para ir pegamos a Anchieta. Trânsito tranquilo apesar da chuva. Muitos caminhões.

Estava tranquila, curtindo a viagem, o visual. Quando saio com a Val, sinto-me segura. Ela dirige bem pra caramba. Super atenta, tranqüila. Eu e a Pri com as máquinas nas mãos, clicando tudo o que víamos. Registrar aqueles momentos de alegria era vital. Conseguimos tirar ótimas fotos!

Quando pegamos a Rodovia Manoel Hipollyto do Rego, ficamos impressionadas com a paisagem. Os montes, as serras, o mar... ah, o mar! Tão imponente, grandioso, poderoso. As ondas quebravam fortemente e víamos diversos surfistas. Que vontade de se jogar! As praias mais bonitas são a Preta, Juquehy e Boiçucanga. Lindas!

Para chegar até Maresias, tivemos que subir uma serra íngreme ao extremo. Muitas curvas fechadas. E muitos muros detonados devido a imprudência dos motoristas. As estradas estavam muito bem sinalizadas, não havia justificativa para tantos acidentes.
Chegamos ao Albergue e apesar de algumas confusões e ruídos na comunicação entre nós e a recepcionista conseguimos fazer o check-in e arrumar nossas coisas num quarto super pequeno. Afinal, saímos de lá com os braços roxos de tanto se bater nos batentes das paredes e das portas...rs. Tinham vários gringos hospedados. Muito bacana!
Decidimos visitar o mar mesmo com chuva e frio. Como a água é limpa! A areia fina como as das praias do Nordeste. Serras ao Sul e ao Norte... pequenas ilhas espalhadas no horizonte... encantador. E por mais que o momento fosse feliz, impossível não lembrar da canção triste da Legião Urbana: Vento no Litoral...estávamos felizes, alegres, alvoroçadas em um visual melancólico. Um paradoxo. Sentei num tronco, fiquei olhando pro mar, pensando em nada. Isso mesmo, pensando em nada. Há quanto tempo não fazia isso. Era como se tivesse deixado meu corpo por alguns instantes, até que retornei com a Val me chamando...


Surfistas! Muitos surfistas! O mar estava realmente bom para eles. Perfeito, não. As ondas quebravam rapidamente, mas dava pra deslizar pelo 1 minuto sobre elas.

Não sei se por causa do mau tempo os restaurantes simplesmente não abriram de manhã. Tivemos que esperar até as 14h00 no sábado para almoçar e até as 12h no domingo. Há pouca oferta de restaurantes. Há muitas lanchonetes. No sábado, almoçamos no restaurante Terral (recomendo). Pedimos um prato que servia arroz, feijão, salada e filé de pescada a milanesa. Maravilhoso! Matei minha vontade de comer peixe! Para o jantar, escolhemos o Sushi Bar Uanama. Espetacular. Sushi, salmão grelhado saborosíssimos! Atendimento Filet, como diz a Val, rs. Ganhamos até um CD com a trilha sonora perfeita para ouvir no litoral. No domingo, almoçamos no Bob’s. Não gostei muito não. Prefiro Mc Donald’s...rs. Sofremos para encontrar um cafeteria. Claro, a gente tinha que tomar um expresso. Acabamos tomando um mais ou menos, em uma lanchonete que não me lembro o nome. Encontramos uma sorveteria chamada Rocha, muito boa. Escolhi os sabores: café, cajá, graviola, amendoim e abacaxi com cobertura de cassis e amora. Humm, muito bom!

No sushi Bar Unama

Sorvete do Rocha

Em Maresias não há calçadão, simplesmente porque os hotéis e pousadas restringiram o acesso aos seus hóspedes, inclusive há áreas de permanência exclusiva. Achei um absurdo, pois tivemos de andar vários metros para entrar na praia. Como a Prefeitura permite construções como essas que privam o acesso à praia que é pública?
A hora de ir embora é sempre a mais difícil... arrumar as malas, colocar no bagageiro e dar adeus... fiquei com saudade de Maresias. É uma cidade encantadora. Parece simples, pequena, mas tem algo de mágico... talvez por isso os naturebas e surfistas gostem tanto dela. Por isso é a capital internacional do Surf...


Quero voltar pra ver o nascer e o pôr do sol... quero voltar pra entrar no mar e sentir a água morna banhar meu corpo...


Meninas, obrigada pelos momentos maravilhosos! Esta viagem me mostrou o quanto sou feliz por ter amigas como vocês ao meu lado! Adorei!

Super beijo!

Se você ficou com vontade de ir a Maresias, seguem minhas dicas:

Onde comer:

Terral
Rua dos Navegantes, 542. Tel: (12) 3865-6488

Sushi Bar Uanama
Tel: 12 3865-7861

Sorveteria Rocha
Avenida Altino Arantes, 200. Tel.: (12)3892-1969

Onde ficar:

Albergue Maresias



Rua Sebastião Romão Cesar, 406. Fone (0xx12) 3865 6612 - 3865 7584. Email: alberguemaresias@uol.com.br

PS: Para ver mais fotos, acesse meu álbum no Orkut!

Beijos, boa quinta! :)

4 comentários:

Anônimo disse...

Fla!
Que descrição perfeita!
simplesmente eu adorei....

Vc é excelente para escrever, fico muito orgulhosa de vc, Parabéns!
Eu também adorei muito nossa viagem, apesar do mal tempo, foi tudo perfeito!
Ah, não poderia esquecer, obrigada pelo elogio, adorei em saber que você se sente segura quando estou na direção. Quando dirigo, não penso apenas em mim, mas nos outros também...
Outra coisa, amo Edson e Hudson, porém o que estava tocando era Victor e Leo, rrsrsrsrs. Mas gostei bastante da seleção de músicas que vocês escolheram, realmente só agregou à nossa inesquecível viagem.
Obrigada por tudo, um super beijo.
Valéria

Flávia Fabri Cesário disse...

Val!!!
Edson e Hudson, Victor e Léo para mim é tudo igual..rs
Não sou muito boa para identificar músicas sem olhar caixinhas de CD's..rs. Nem quando é rock, pop...
Foi demais! Quero mais! Quero de novo!
Ainda bem que vou viajar de novo no final de Abril... já estou ansiosa para arrumar as malas! rs
Beijos, te adoro amiga!

Alcides disse...

Flávia,
Você é excelente mesmo para escrever, ótima descrição e narrativa.
Não gosto nada de paixe, só sardinha em lata e olhe lá, mas aquele prato estava muito convidativo.Acho que eu encararia rs.
A música da Legião é mesmo inesquecível, mas que tal o Descobridor dos sete mares?
Quanto às sertanejas, respeito quem curte, porém vivo ecoando a frase do locutor Marco Antonio da Kiss fm : "Só o Rock'roll salva!"

Um beijo!

Alcides

Bruna Souza disse...

Ahhh fikei morrendo de vontade de ir....deve ter sido muito bom mesmo...

Ainda não conheço Maresias, mas torço pra conhecer logo...é lindo...todos que vão se apaixonam...

Adorei a narrativa da viagem flor

bjosss