terça-feira, 11 de agosto de 2009

Levando...

Olá, pessoal!


Como vocês perceberam, mudei o visual do blog. Eu já sei que você pensou: “de novo!...” rs. Definitivamente, eu não consigo olhar para a mesma coisa por muito tempo. Preciso fazer essas mudanças. E acho até, que outras alterações podem acontecer... hehehe.

Não estou muito inspirada para escrever aqui. Na verdade, estou mantendo o Arte em Feltro com mais afinco. Já pensei em fechar o De Lua, mas paro e penso. Aqui tem muitos capítulos da minha história. Não posso assassina-lo assim (isso me lembra Leandro Budugo...rs). O fato é que no momento eu sou dona de casa e artesã. Quem diria? E isso cansa. Trabalhar em casa é uma atividade ingrata. Muito trabalho e nada de recompensa. Digo até que é muito mais cansativo do que trabalhar fora. Como sinto falta da minha rotina. Mesmo que isso inclua o caos do Metro (que tanto reclamei aqui) e o atendimento ao cliente tão desgastante (e irritante!).

Pensar nessa falta me deixa triste. Choro pelos cantos e quando me perguntam como estou, só respondo que está tudo bem. É difícil fingir. Eu não sei mentir. Estou mais “de lua” que nunca. No mesmo dia dou gargalhada e choro de soluçar. E o que me tira dessa? Deus. A minha fé. A minha convicção de que o meu sonhado emprego vai surgir. Quem não tem esperança não vive.

Nesses momentos, percebo o quanto eu sou ingênua e idiota. Olho ao me redor e vejo poucos, pouquíssimos amigos. Daquele tipo que eu possa confiar. Sei que já falei sobre isso milhares de vezes aqui, mas é que eu nunca aprendo. Não adianta dar cabeçada. Eu acredito nas pessoas. Não imagino que há maldade no coração alheio, pois esse sentimento nunca fez parte do meu coração. Tem muita falsidade por aí. Muita amizade por interesse. E isso me enoja.

Pode até soar como fraqueza, mas não tive coragem de voltar ao local onde trabalhava. Sinto muita falta de poucas pessoas com as quais eu convivi. E tenho certeza de que elas sentem minha falta também. Posso contar nos dedos quem são. Sinto mágoa da oportunidade que não me deram. Sinto raiva das injustiças cometidas em favorecimento aos mais “bem relacionados”, que na minha opinião não passa de “puxa-saquismo”. Se for para crescer assim, eu não quero! E eu já sei de cor e salteado que eu vou sofrer, e muito por causa disso. Entretanto, tenho plena convicção de que esse é o meu melhor caminho.

Beijos, fiquem com Deus!

PS: A foto acima foi cliacada da janela do meu quarto. Uma das coisas boas de ficar em casa...

4 comentários:

Leandro Budugo disse...

Flá, querida flor

Todo inverno passa! E não se permita morrer com ele. Ainda que não desabrochemos como queremos, ainda que choremos todas as lágrimas que há em nós _e choremos talvez até choros secos, mas SAIBA:
é no inverno que a árvore aumenta sua raíz. Descobri isso esses dias.

Portanto, minha amada e doce amiga, amigos são amigos quando eles te dizem: Invernos existem! E estamos juntos nessa jornada. Até que possamos, então, juntos, aprofundar ainda mais nossas raízes e não perecermos.

Chorar faz parte. Mas "...lembra de tudo o que você já passou, quando pensou que ia morrer, mas não morreu; quando pesou que ia parar, e não parou. Traga à memória sempre o que te dá esperança". | bpa Sonia Hernandes.


Todo INVERNO passa.
Creio nisso. Creia você também!

Beijo de um passarinho que precisa do seu jardim sempre aberto...

Leandro Budugo

A Palavra Mágica disse...

Flávia!

Que bom ter notícias suas.

Domingo eu estive na missa e rezei por você. Dias melhores virão.

Beijos!
Alcides

Vinícius Aguiar disse...

Saudade de te ler Flavinha!! Quero que saiba que continuo torcendo muito por vc e pelo seu sucesso! E sei perfeitamente o quanto é difícil sentir-se preterido não por competência, mas por conveniência, e infelizmente sei que isso é um dos principais retratos do nosso mercado de trabalho! Mas continue com a sua fé, continue acreditando que Deus te mostrará o melhor caminho sempre, porque cada dia se fará um aprendizado!

Apareça, vc faz falta!
Beijos!

Anônimo disse...

Flavitz,

Acho que você está em uma fase de transição. Todos que saem de uma rotina louca e param de repente passam por isso. Ficamos confusos...isso não é de todo ruim. Para se encontrar a gente precisa se perder um pouco. Sinto falta das nossas confabulações...coisas de pingum...rs

Não se deixe abater e olhe sempre para o alto. Vc sabe bem que tem um Deus lá em cima que cuida de nós! bjs de diva

Alessandra